PF indicia Renan Calheiros por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

A Polícia Federal (PF) acusou o senador Renan Calheiros (MDB-AL) de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por ter recebido R $ 1 milhão da Odebrecht em troca de apoiar um projeto em nome da empreiteira no Senado à época Presidente da Emedebis Câmara dos Deputados. O relatório da PF foi encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira, 2, e deve ser encaminhado à Procuradoria Geral da República (PGR) que decidirá sobre o ajuizamento de ação contra o deputado que atualmente é Covid-19 CPI – Relator. A investigação foi aberta pelo ministro Edson Fachin em março de 2017 e só agora está encerrada.

No relatório, a PF afirma ter “indícios suficientes de autoria e materialidade” contra o senador. De acordo com os investigadores, Calheiros teria atuado pela aprovação de uma resolução que restringia incentivos fiscais a produtos importados e que beneficiariam a Braskem. “Durante o inquérito identificou-se que o pagamento de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) ocorreu em contrapartida pelo apoio político fornecido para a aprovação ao Projeto de Resolução do Senado n. 72/2010, convertido na Resolução do Senado Federal n. 13/2012, o qual beneficiou o GRUPO ODEBRECHT, e especialmente a BRASKEM SA, na medida em que limitou a capacidade dos Estados para concessão de benefícios fiscais a produtos importados, evitando a continuidade da ‘Guerra dos Portos’”, diz o Serviço de Inquéritos (Sinq) da Polícia Federal.

Em nota, o senador Renan Calheiros disse que a medida ocorrerá se a CPI revelar alguma impressão digital do governo relacionada à corrupção da vacina. A investigação está em andamento desde março de 2017 e, como não encontraram evidências, solicitaram a prorrogação. Estou surpreso que neste momento a CPI esteja mostrando todas as impressões digitais do governo sobre a corrupção da vacina, a parte politizada da Gestapo (referência à polícia secreta do estado nazista) vê indícios em uma acusação sem provas relativas a 2012 .Mas não serei intimidado. Os responsáveis ​​pelas mortes, pelo atraso da vacina, pela cloroquina e pela propina vão pagar, disse o deputado. O advogado Luís Henrique Machado, em representação do senador, está confiante no encerramento do inquérito.

O senador Renan Calheiros é investigado pelo Ministério Público desde 2009. No âmbito de uma investigação, sua vida foi investigada e nunca foram encontradas evidências da ilegalidade de suas ações. Ele nunca tratou, autorizou ou consentiu que alguém falasse em seu nome. Por fim, cabe destacar que cerca de dois terços das investigações contra o senador já foram encerradas por falta de provas. A exemplo das demais investigações, a defesa está confiante de que também será encerrada a investigação contra a Odebrecht, até porque nenhuma prova em detrimento do senador foi produzida e apenas ficou a palavra isolada dos denunciantes, segundo a defesa.