Lutadora Trans Brasileira aceita lutar com homens e afirma: "Não acho certo trans lutar com mulheres"

Lutadora Trans Brasileira aceita lutar com homens e afirma: "Não acho certo trans lutar com mulheres"

Luta polêmica agendada para o Mr. Cage 34, evento brasileiro de MMA que acontecerá no dia 10 de março, em Manaus. Um dos combates vai opor uma lutadora transexual, Anne Veriato, contra o lutador

Leia tudo

Luta polêmica agendada para o Mr. Cage 34, evento brasileiro de MMA que acontecerá no dia 10 de março, em Manaus. Um dos combates vai opor uma lutadora transexual, Anne Veriato, contra o lutador Railson Paixão.

Anne, que é amazonense, treina jiu-jitsu desde os sete anos de idade, tem 21 anos e fará sua estreia em um evento de MMA. Ao site MMA Fighting, ela afirmou que "a influência dos companheiros de treinos fez com que ela apostasse na transição para as Artes Marciais Mistas".

"Tenho lutado jiu-jitsu por anos e queria fazer algo diferente. Muitas pessoas do meu time lutam MMA já e eu queria fazer isso também. Quando eu entro para competir eles sempre pensam que estou na categoria errada, mas não acho certo lutador trans lutar com mulheres por sermos mais fortes, perguntam por documentos e tudo mais. Meus oponentes e os times deles perguntam: ‘Você vai lutar com ela? Ok, isso será fácil’.

Sempre que eu ganho eles se desculpam. Eu continuei competindo e ganhando torneios e as pessoas começaram a me respeitar", afirmou a lutadora.

Segundo ela, nascida homem, nunca houve pretensão de enfrentar mulheres, tanto no esporte de formação - o jiu-jitsu - quanto no octógono do MMA."Nunca passou pela minha cabeça lutar com uma mulher, porque eu acho que não é bom. Se eu bati em homem toda a minha carreira, posso continuar batendo neles apesar do processo hormonal.

Eu apenas saberei se sou boa depois de bater em homens", afirmou. "Isso que me deixa feliz e faminta para treinar. Não acho que seria justo lutar com mulheres".De acordo com a lutadora, a organização do evento prontamente aceitou sua proposta para "realizar algo diferente" no Mr.Cage.

O combate inusitado ganhou destaque em vários portais especializados em lutas, nesta semana, com a divulgação.No Brasil mais ainda, após a polêmica envolvendo a atleta transexual Tiffany, do Bauru, na Superliga de vôlei. Autorizada a jogar pela Confederação Brasileira de Vôlei, ela vem obtendo ótimo rendimento jogando contra mulheres.