Juristas evangélicos pedem voz em debates na ONU

A Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure) esperam obter em 2020 um status consultivo na Organização das Nações Unidas (ONU), o que permitiria ao grupo discutir em reuniões oficiais e organizar debates.

O pedido foi feito em 2017, mas como o processo é longo, devido as muitas demandas, a partir de 20 de janeiro os representantes da entidade estarão no Comitê da ONU sobre ONGs, o que poderá ajudar na candidatura.

No momento em que recebem a chancela do ECOSOC (Conselho Econômico e Social) das Nações Unidas, as entidades podem designar representantes em New York e Genebra.

Segundo o UOL, várias entidades brasileiras já contam com este tipo de status , incluindo grupos que representam interesses indígenas, de direitos humanos e das chamadas minorias.

O presidente da Anajure, Uziel Santana, é o principal defensor desta agenda internacional para os juristas evangélicos, pois seria uma enorme conquista do ponto de vista representativo do segmento.