Governo comunista chinês ordena que hospitais realizem abortos tardios e matem bebês recém-nascidos de minorias religiosas

Os hospitais da Região Autônoma Uigur de Xinjiang, na China, foram orientados a realizar abortos tardios e matar bebês recém-nascidos como forma de fazer cumprir as regras de “planejamento familiar” do país comunista.

Hasiyet Abdulla, que atualmente mora na Turquia, trabalhou como obstetra em vários hospitais em Xinjiang ao longo de 15 anos, incluindo o Hospital XUAR de Medicina Tradicional Uigur. Ela disse à Radio Free Asia (RFA) que as maternidades dos hospitais criaram políticas que limitam os uigures e outros grupos minoritários a três crianças nas áreas rurais e duas nas áreas urbanas.

“Espera-se que as mulheres uigures esperem vários anos entre os partos. Se elas não cumprirem a política, os médicos matarão os bebês depois que nascerem”, disse Abdulla.

“Eles não dariam o bebê aos pais – eles matam os bebês quando nascem. É uma ordem que vem de cima. É uma ordem que foi impressa e distribuída em documentos oficiais. Os hospitais são multados se não obedecerem, então é claro que eles fazem isso”, acrescentou Abdulla.

Cada hospital da região tem um escritório de “planejamento familiar”, onde os funcionários mantêm uma lista detalhada de todas as gestações.

“Houve bebês nascidos aos nove meses que matamos após induzir o parto”, disse Abdulla. “Eles faziam isso nas maternidades porque essas eram as ordens.”

De acordo com a RFA, bebês nascidos vivos foram tirados de seus pais, mortos e depois descartados como lixo. Abdulla denunciou que essas instruções eram “uma ordem dada de cima”. Os hospitais enfrentam multa ou punição por violar as ordens.

Em junho, a Associated Press informou que o governo comunista chinês está pressionando por um controle populacional em Xinjiang, a ponto de obrigar as mulheres a fazerem exames de gravidez, usarem anticoncepcionais ou fazerem abortos.

“Não é um genocídio do tipo imediato, chocante e massacrante, mas é um genocídio lento, doloroso e assustador”, disse a Dra. Joanne Smith Finley, da Universidade de Newcastle, no Reino Unido.

Finley descreveu os esforços do governo comunista chinês como um “meio direto de reduzir geneticamente a população uigur”.

Uma mulher uigur chamada Bumeryem disse à RFA que ela deixou a região em 2016 para viver na Turquia. Ela foi forçada a fazer um aborto em 2004, quando estava grávida de seu quarto filho.

“Eu tive que fazer um aborto porque a gravidez foi minha quarta e eles me deram uma injeção pelo umbigo – eu mesmo paguei 200 yuans (US $ 29) pelo procedimento”, disse Bumeryem.

Ela havia pensado em dar à luz a criança sozinha e dá-la ao irmão para criar – uma prática comum dos uigures que buscam contornar as restrições de “planejamento familiar” – mas sua cunhada estava temerosa que sua família fosse alvo das autoridades comunistas.

Bumeryem acrescentou que ela foi levada ao hospital e o aborto foi realizado quando ela estava grávida de cinco meses.

“Era um menino”, disse ela. Pudemos descobrir o sexo aos cinco meses. Se meu bebê que foi abortado estivesse vivo hoje, ele teria 15 anos.”

“Havia mulheres lá em situações ainda piores do que a minha. Deitei na cama e chorei”, disse Bumeryem.