Ex-Corinthians diz que Raí está no Rio e acerto de Scarpa com São Paulo está adiantado

Ex-Corinthians diz que Raí está no Rio e acerto de Scarpa com São Paulo está adiantado

Flávio Adauto não é mais diretor de futebol do Corinthians, mas segue atento ao mercado de olho no planejamento das equipes para 2018. E, segundo Adauto, o São Paulo é o favorito a ficar com Gustavo

Leia tudo

Flávio Adauto não é mais diretor de futebol do Corinthians, mas segue atento ao mercado de olho no planejamento das equipes para 2018. E, segundo Adauto, o São Paulo é o favorito a ficar com Gustavo Scarpa para a próxima temporada. O meia do Fluminense tem recebido forte assédio do Trio de Ferro e não será surpresa se trocar o Rio de Janeiro pela cidade paulistana.

“Corinthians e Scarpa é um negócio distante. Impossível? Não. Mas embrionário. Soubemos que a coisa está adiantada com o São Paulo. Foi uma informação que a gente teve, que o Raí (novo executivo de futebol do São Paulo) estaria no Rio de Janeiro, mas nada oficial. Se houver algo com o Corinthians, vai começar da estaca zero. Não é impossível, mas pouco viável, porque outros já estariam mais adiantados”, comentou Flávio Adauto à Rádio Bandeirantes.

O campeão brasileiro, que não goza de uma condição financeira abundante, pensa em oferecer jogadores como Giovanni Augusto, Léo Príncipe e Lucca para tentar concretizar o negócio. O Palmeiras se viu frustrado pela recusa de Roger Guedes em participar da troca. Nesse cenário, talvez a tratativa entre os dois tricolores possa vingar.

O agora vice-presidente na chapa liderada por Paulo Garcia, que concorrerá às eleições no Corinthians, também aproveitou para esfriar a empolgação em cima de um possível retorno de Pablo ao time do Parque São Jorge depois das longas e desgastantes negociações que não culminaram em um acordo para o defensor seguir no elenco de Fábio Carille.

“Desconheço esse assunto. Impossível? Não. Improvável? Sim. A gente mantém contatos quase que protocolares, mas reatamos um bom relacionamento com as pessoas. Não vale ficar estremecido. Se vai resultar, é algo que não me pertence mais. Mas é pouco provável (o retorno)”, opinou Flávio Adauto.