Coordenador do PSB rompe com Marina e critica a ex-senadora

A escolha do PSB de colocar Marina Silva para disputar a presidência da República já gerou o primeiro racha no partido. Nesta quinta-feira (21) o coordenador da campanha de Eduardo Campos, Carlos Siqueira, rompeu com a candidata.

Siqueira teve um desentendimento com a ex-senadora e saiu da reunião sem que o assunto fosse terminado. “Ela que vá mandar na Rede dela, porque no PSB mandamos nós”, disse ele bastante insatisfeito.

O desentendimento foi causado pela indicação de dois nomes de confiança de Marina Silva para a coordenação da campanha, o que não agradou Siqueira. Um dos nomes apresentados para trabalhar com a candidata é o deputado federal Walter Feldman e Bazileu Margarido.

Siqueira reclama que Marina o tratou de forma deselegante e que ele não aceitaria ter nenhum tipo de contato com a ex-senadora. “Na reunião ela foi muito deselegante comigo. Eu disse que não aceitaria aquilo e afirmei: ‘a senhora está cortada das minhas relações pessoais’”, afirmou ele em entrevista à Folha de São Paulo.

Marina foi questionada pela imprensa sobre esse desentendimento e respondeu que tudo não passa de um mal-entendido. Ela negou que tenha indicado novos coordenadores e pediu que o partido esclareça a situação.

“Eu disse que os coordenadores que o PSB escolheu seriam os coordenadores [da campanha da nova chapa], porque eu não iria fazer interferência na coordenação que já havia sido indicada pelo PSB. É lógico que estamos diante de uma situação que tem um mal-entendido e que o próprio PSB deve esclarecer”, afirmou Marina.

Siqueira está insatisfeito com a indicação de Marina que está filiada ao partido desde outubro quando seu partido, a Rede Sustentabilidade, não teve autorização da Justiça Eleitoral para começar a funcionar.

“Ela não representa o legado dele [Eduardo Campos- morto na última semana], está longe de representar. Quando se está em uma situação como hospedeira, como ela é, tem que se respeitar a instituição, não se pode querer mandar na instituição”, afirmou.