Jair Bolsonaro

Bolsonaro passa mal e deixar jantar com empresários

Sentindo-se mal, o presidente Jair Bolsonaro teve que deixar um jantar de negócios em um restaurante nesta sexta-feira (9) durante uma visita à cidade gaúcha de Bento Gonçalves.

De acordo com o site, desde a hora que chegou à Caxias do Sul à tarde, Bolsonaro soluçava muito e tinha dificuldade para falar.

Segundo o jornal, o presidente se sentiu mal por volta das 20h, quando jantava com autoridades e empresários na Vinícola Miolo. Ao sentir o mal-estar, ele foi levado imediatamente para o hotel de trânsito, no 6º Batalhão de Comunicações.

O problema já havia se manifestado ultimamente. Na quinta-feira (8), durante transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente mencionou que o soluço já durava dias. Segundo ele, os espasmos começaram após um procedimento odontológico, ao qual foi submetido no dia 3 de julho.

Bolsonaro está no Rio Grande do Sul para participar, neste sábado (10), de mais uma passeata com motociclistas apoiadores de seu governo.

Nesta sexta-feira (9/7), o presidente Jair Bolsonaro foi acometido por um ataque de soluços. Ele discursava durante a abertura da 1ª Feira Brasileira do Grafeno, na Universidade de Caxias do Sul (UCS), no Rio Grande do Sul.

Mais cedo, a apoiadores na área externa do Palácio da Alvorada, o presidente disse que iria poupar a voz em função do problema. “Estou há sete dias soluçando e tenho dois discursos hoje e um amanhã, portanto não vou falar muito. Estou poupando aqui falar.”

O presidente Jair Bolsonaro sentiu uma dor de estômago na madrugada desta quarta-feira (14) horas e foi ao Hospital Militar de Brasília (HFA) para fazer exames. Como resultado, as reuniões do Bolsonaro esta manhã foram canceladas.

O presidente havia reclamado de soluços persistentes nos últimos dias. Ele até falou sobre o problema com as transmissões ao vivo pela Internet.

Uma nota oficial do Palácio do Planalto informou que Bolsonaro foi ao hospital investigar a causa dos soluços. A nota diz ainda que ele deverá ficar sob observação por um período de 24h a 48h, não necessariamente no hospital. O texto afirma que Bolsonaro passa bem e está animado.

Possíveis causas para o soluço

Os especialistas dizem que soluços persistentes são uma condição rara.

O médico Flavio Quilici, professor de Gastroenterologia da PUC Campinas, explica que a situação não só é rara, mas também muito incômoda e com o diafragma é um dos principais músculos da respiração.

Você se lembra do músculo entre o peito e o abdômen, o diafragma. Quando esse diafragma relaxa, você insufla o ar e a glote, passagem que se abre para o estômago ou para os pulmões, se fecha e faz aquele som bem característico, explica Quilici.

E muito raramente dura mais do que 48 horas, o que é caracterizado como síndrome do soluço persistente, por assim dizer. Dez dias são suficientes. Segundo o médico, é possível que a cirurgia de Bolsonaro esteja, na verdade, relacionada aos soluços. Se durar tanto, pode ser uma complicação esofágica que é a doença do refluxo. E ele também tinha o fato de que operações abdominais e às vezes orais podem levar a esse estímulo, analisa Flavio Quilici.

Agenda

A pauta matinal de Bolsonaro incluiu reunião, às 11 horas, com os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux. Esta reunião foi marcada no início da semana com o objetivo de acalmar o clima entre as potências da república. Os discursos de Bolsonaro contra a urna eletrônica causaram cansaço e reações no judiciário e no legislativo.

Bolsonaro também participaria, às 8h, de uma reunião do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19. Às 10h, no Palácio do Planalto, ele participaria do lançamento de um programa chamado Ações para o Novo Ensino Médio.

Nota do Planalto

Veja a íntegra da nota divulgada pelo Palácio do Planalto:

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, por orientação de sua equipe médica, deu entrada no Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília, nesta quarta-feira (14) para a realização de exames para investigar a causa dos soluços.

Por orientação médica, o presidente ficará sob observação, no período de 24 a 48 horas, não necessariamente no hospital. Ele está animado e passa bem.

Secretaria Especial de Comunicação Social