Bolsonaro deve depor no TSE e corre o risco de ficar inelegível

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pretende testemunhar ao presidente Jair Bolsonaro (não partidário) após declarações do presidente do conselho de administração sobre a existência de suposta fraude eleitoral.

Os demais participantes do show, que tratou do tema na última quinta-feira (29). O procurador-geral Anderson Torres estava entre os membros.

A investigação administrativa (3) lançada na terça-feira pode tornar o presidente inelegível se ele se apresentar.

A investigação é baseada em declarações recentes do chefe do Palácio do Planalto de que as eleições de 2022 não podem ocorrer se o voto impresso auditável não for aprovado.

A proposta de abertura de inquérito ao caso partiu do Inspector Geral Eleitoral, Ministro Luís Felipe Salomão.

Além da apuração, o TSE também encaminhou a notícia ao vivo para o STF (Supremo Tribunal Federal), onde está ocorrendo a apuração da notícia falsa após denúncia do ministro Alexandre de Moraes.