13 dicas para não se endividar no cartão de crédito

Manter a saúde financeira é muito importante, mas nem sempre é possível. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio (CNC), 67,1% das famílias brasileiras estão com muita dificuldade de arcar com as despesas que fizeram, ou seja, estão completamente endividados em um momento complicado da economia.

Se você ainda não faz parte desse número, saiba que há alternativas para não chegar lá. Separamos para você 13 dicas valiosas para não fazer dívida no cartão de crédito e conseguir usar o seu dinheiro para outras finalidades que, de fato, ajudem você a ter mais tranquilidade. Confira!

Continua após a publicidade:

1. Entenda como está a sua situação financeira

Um dos grandes problemas de quem acaba se endividando é perder o controle da vida financeira. É importante ter visão não apenas do quanto você ganha mensalmente, mas também de todas as suas despesas e investimentos.

Faça uma planilha ou use aplicativos para fazer o acompanhamento completo das entradas e saídas de dinheiro. Com isso, você terá mais clareza sobre como anda o seu bolso — a partir disso você saberá, exatamente, o quanto pode gastar no seu cartão de crédito sem comprometer toda a sua renda.

Continua após a publicidade

2. Corte gastos não-essenciais

É comum ter na sua lista algumas despesas com restaurantes, compras no shopping, aplicativos de streaming e transporte, dentre outros. Todos esses podem ser considerados como gastos não-essenciais, ou seja, você não depende totalmente deles para sobreviver.

Analise quais deles você pode cortar completamente e outros que você pode reduzir ao longo do mês. Vale destacar que não é para você eliminar completamente os momentos de lazer, afinal, eles também são importantes para manter a nossa saúde física e mental. Mas sim, fazer uma reavaliação, principalmente se houver excessos.

3. Tenha uma reserva de emergência

Guardar um pouco de dinheiro pode salvar você de situações bem complicadas com o cartão de crédito. Não é necessário comprometer grande parte da sua renda com isso — na poupança, você pode reservar o quanto quiser e em outros fundos, é possível investir com apenas R$100 — e, algumas vezes, uma pequena quantia que você já juntou pode ser a grande salvadora para não precisar deixar de pagar a fatura.

4. Evite compras parceladas

Fazer dívidas a longo prazo pode acabar se tornando uma bola de neve. Se lá na frente você tiver algum imprevisto financeiro e não tiver nenhuma reserva de emergência, você dificilmente conseguirá arcar com todas as suas contas, dentre elas a de cartão de crédito.

Continua após a publicidade

Por isso, sempre que possível, opte pelo pagamento à vista ou com o mínimo de parcelas possível — sem esquecer que esse valor também deve caber dentro do seu orçamento mensal. Assim, é mais fácil não apenas ter um maior controle dos seus gastos, como também negociar descontos nas suas compras.

5. Cuidado com o pagamento da fatura

Uma das grandes vilãs relacionadas ao cartão de crédito é a taxa de juros, que costuma ser bem alta. Para fugir ao máximo desse problema, é importante que você não atrase o pagamento das suas faturas e, principalmente, que nunca opte pelo pagamento mínimo ou parcelamento do seu débito.

Em alguns casos, vale mais a pena procurar uma solução de crédito pessoal para arcar com essa dívida, porque os juros costumam ser muito menores do que aqueles cobrados pelas operadoras de cartão de crédito.

6. Procure por cartões com vantagens

Sabe os programas de fidelidade e pontuação que os cartões de crédito costumam oferecer? Eles podem ser grandes aliados na hora de conseguir descontos e promoções, porque os bancos costumam fazer parcerias com marcas e lojas para conseguir vantagens exclusivas para seus clientes.

Continua após a publicidade

Antes de fazer um cartão de crédito, pesquise e compare as opções disponíveis no mercado e veja qual delas oferece um programa de conversão de gastos em pontos que contemple coisas que você costuma consumir no dia a dia.

Quem viaja muito, por exemplo, deve ficar de olho nos cartões que convertem pontos em milhas aéreas ou que oferecem acesso à sala VIP em aeroportos.

7. Atenção com a anuidade

A anuidade é uma taxa cobrada pelos bancos para fazer a administração e manutenção do crédito e, dependendo do tipo de cartão que você tem, esse valor pode ser extremamente alto. Às vezes, você nem percebe esse detalhe por ser parcelado em várias prestações, mas o gasto pode chegar a mais de R$1.000,00 anuais!

Tente negociar com o seu banco a isenção dessa taxa para evitar mais uma dívida no cartão de crédito. Vale lembrar que algumas fintechs já oferecem cartões sem nenhuma anuidade, o que é ainda melhor.

Continua após a publicidade

8. Não tenha muitos cartões

Você é daquelas pessoas que já não tem mais espaço na carteira para guardar tantos cartões? Saiba que essa pode ser a armadilha perfeita para gastar muito mais do que você poderia, principalmente se todos eles tiverem um limite muito alto — ou se a junção dos limites ultrapassa a sua renda mensal.

O ideal é que você tenha, no máximo, dois cartões de crédito e que tente ao máximo concentrar as compras em apenas um deles, deixando o ouro apenas para algum momento de emergência.

Quanto mais você gasta em um único cartão e faz o pagamento correto das faturas, mais o banco interpreta que você é um bom pagador e pode oferecer vantagens, como isenção de taxas ou aumento de limite.

9. Fique atento às pequenas compras

“É só um cafezinho” ou “é só uma corrida no aplicativo de transportes” são duas frases muito utilizadas para sabotar o seu controle de gastos com o cartão de crédito. Separadamente, essas podem ser compras muito pequenas, mas quando elas se juntam e unem-se às maiores, podem virar um grande problema para você.

Continua após a publicidade

Deixe o seu cartão de crédito apenas para as situações em que outros meios de pagamento são mais difíceis de serem utilizados, como em uma compra de alto valor em supermercados ou de passagens aéreas.

10. Não faça compras por impulso

Você se apaixonou por uma blusa de manga comprida, mas estamos em pleno verão e não poderá usar a nova roupa tão cedo? Cuidado, pois adquirir esse produto pode ser apenas sinônimo de uma compra por impulso. Você não tem necessidade alguma disso no momento e pode acabar criando mais uma dívida que terá dificuldades para pagar.

O cartão de crédito foi feito para compras planejadas ou para momentos de emergência. Por isso, não use esse meio para satisfazer desejos momentâneos ou para coisas que você não precisa ter naquele exato instante da compra.

11. Controle o limite do cartão

Para muitas pessoas, ter um cartão com o limite muito alto ou, até mesmo, sem limite algum é como a realização de um sonho. Mas saiba que não adianta você ter esse crédito enorme em mãos se você não tem condições de pagar por ele depois!

Continua após a publicidade

O ideal é que o limite dos cartões não ultrapasse 50% da sua renda mensal. Se, por acaso, o banco oferecer a você um limite maior do que esse, apenas agradeça e peça para mantê-la dentro do seu padrão financeiro.

Os cartões mais modernos, como os do Nubank ou C6 Bank, contam com controle de limite direto no aplicativo do seu celular, ou seja, é você quem determina quanto do valor liberado você poderá utilizar por mês — o que garante muito mais autonomia.

12. Não exclua os gastos dos dependentes

Uma prática comum, principalmente entre as pessoas que tem filhos, é a solicitação de um ou mais cartões de dependente. Porém, muitas vezes, o limite desses meios de pagamento e os gastos são considerados como algo à parte e não somados aos gastos do cartão de crédito principal.

Encare o cartão de dependente como se fosse mais um na sua carteira. Além disso, evite essa opção caso você ainda não tenha ensinado para os filhos algumas boas práticas de gestão financeira e controle de despesas, pois eles também podem acabar acumulando dívida no cartão de crédito que pesarão no seu bolso.

Continua após a publicidade

13. Veja qual é a data de fechamento

Para evitar que a parcela de um mês fique extremamente alta, uma boa prática é ter em mente qual é a data do fechamento da sua fatura — que costuma acontecer cerca de dez dias antes da data de vencimento.

Sem dúvidas, vale mais a pena esperar alguns dias para que o pagamento da compra seja feito apenas nos próximos 40 dias, do que sobrecarregar a sua fatura com um gasto que você não dará conta de pagar.

Evitar a dívida no cartão de crédito pode parecer extremamente difícil, mas a verdade é que precisamos adaptar os nossos hábitos para ter uma vida financeira mais tranquila e saudável. Com as dicas que demos aqui, você será capaz de evitar dores de cabeça e planejar melhor o uso do seu dinheiro!

Assine a Newsletter do iDinheiro e receba toda semana conteúdo exclusivo sobre o que importa para o seu dinheiro.