EUA expõem corrupção bilionária na Venezuela o PT realiza reunião emergencial

EUA expõem corrupção bilionária na Venezuela o PT realiza reunião emergencial

Integrantes da cúpula do regime chavista são alvo de uma investigação nos EUA que apura o uso de estatais venezuelanas ao longo de mais de uma década para lavar bilhões de dólares, desviar fort

Leia tudo

Integrantes da cúpula do regime chavista são alvo de uma investigação nos EUA que apura o uso de estatais venezuelanas ao longo de mais de uma década para lavar bilhões de dólares, desviar fortunas para paraísos fiscais e ajudar traficantes de drogas.

É o que revelam documentos e processos aos quais o Estado teve acesso na Justiça americana, denuncia não foi bem recebida por integrantes do governo e pelo próprio Maduro; no Brasil especula-se uma alta movimentação dentro da alta cúpula do PT, uma vez que compreendem que poderão existir mais divulgações por documentos e, dentre eles, estariam contemplados acusações voltadas ao governo Lula e Dilma. Uma reunião emergencial a portas fechadas foi feita nesta semana.

As investigações foram conduzidas em cooperação com o Ministério Público de países como Suíça, Andorra e Espanha. As autoridades americanas acreditam que o desfalque na PDVSA – a estatal de petróleo envolvida em lavagem de dinheiro, corrupção e narcotráfico – chega a pelo menos US$ 2 bilhões.

Os inquéritos consultados incluem ações contra políticos, militares, presidentes de estatais, ex-embaixadores, ministros e funcionários de alto escalão do governo. O principal alvo da apuração do Departamento de Justiça dos EUA é a petrolífera, principal fonte de receita do governo venezuelano.

Em Andorra, por exemplo, o banco BPA é acusado de ter ajudado executivos da PDVSA a criar “dezenas de empresas de fachada” para “processar” lavagem de dinheiro na estatal. O BPA nega as irregularidades e acusa o Tesouro americano de ter levado a instituição à falência depois que revelou as relações entre o banco e seus clientes.

Os donos da financeira – a família Ciercos – buscam desde 2017 compensação financeira na Justiça. No processo, o banco ainda solicita que sejam tornadas públicas todas as correspondências entre as autoridades americanas e as de Andorra.Embora a PDVSA seja o eixo da investigação, surpreende a suspeita de uso sistemático de várias outras estatais como instrumento de lavagem de dinheiro.

Entre elas estão o Bandes (banco de desenvolvimento), a Suvinca (promoção industrial), a Companhia Nacional de Telefone e o Centro Nacional de Comércio Exterior (Cencoex).Apenas um esquema descoberto pelo Departamento de Justiça aponta para propinas de mais de US$ 100 milhões e transferidas para contas secretas na Suíça. A empresa Derwick Associates, com dois venezuelanos como proprietários, fechou um acordo com a estatal de energia elétrica da Venezuela por US$ 767 milhões.

Os repetidos apagões nas cidades venezuelanas foram usados como argumento para que o governo e a Corporação Elétrica Nacional (Corpoelec) mudassem as regras de licitação. Hugo Chávez, na ocasião, declarou “estado de emergência energética” e acelerou o fechamento de contratos. A suspeita é que isso tenha aberto caminho para acordos com empresas de aliados ou com base na corrupção. Os donos da Derwick “não tinham nenhuma experiência profissional relevante, treinamento ou conhecimento sobre a indústria de energia”, segundo os americanos. Um deles tinha apenas 31 anos no momento do contrato e o outro nem mesmo havia completado 18 anos quando a empresa foi criada, em 2003. Em 2017, a Suíça devolveu aos cofres americanos US$ 51 milhões que teriam sido desviados do esquema de energia na Venezuela. Procurada, a empresa não deu sua versão sobre o caso.

Pessoas próximas da investigação nos EUA disseram ao Estado que um dos objetivos é determinar o papel do governo e das estatais na lavagem de dinheiro do narcotráfico. Em fevereiro de 2017, o Departamento de Tesouro americano congelou os ativos de Tareck El Aissami, vice-presidente da Venezuela, por ter tido um “papel significativo no tráfico internacional de drogas”. “Centenas de milhões em ativos” associados a laranjas foram descobertos e congelados nos EUA.

Documentos apontam como El Aissami, que também foi ministro do Interior e da Justiça, “facilitou” o embarque de drogas para o exterior. O processo incluía até controle sobre aviões que deixavam bases aéreas venezuelanas. Ele é acusado ainda de ser dono de partes de carregamentos de mais de uma tonelada de drogas que saíam da Venezuela para México e EUA.

Segundo a investigação, isso teria ocorrido em “múltiplas ocasiões”. El Aissami teria ainda recebido suborno por ter ajudado a embarcar drogas do traficante Walid Makled García, além de auxiliar na coordenação das rotas de narcóticos para cartéis do México e da Colômbia. Vários órgãos do governo americana estudam, de forma conjunta, quais sanções poderiam ser adotadas contra o governo de Nicolás Maduro antes das eleições de abril.

As investigações, assim, seriam usadas para indicar o rumo das medidas a serem tomadas e contra quais funcionários do regime.O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, tem percorrido diversos países para pedir um acordo para impor sanções contra dois setores na Venezuela: petróleo e finanças. Para ele, apenas fechando a possibilidade de lavagem de dinheiro no setor de energia que “o regime poderá ser colocado de joelhos”.

Numa reunião em Genebra, nesta semana, ele indicou que não vale a pena aplicar sanções econômicas enquanto laranjas ou parentes de integrantes do governo movimentarem recursos no exterior. “Precisamos ir atrás dos testas de ferro dessa corrupção”, disse o uruguaio, lembrando do caso de mulheres de dirigentes que passaram a comprar mansões na Espanha nos últimos meses.